All Posts Tagged: óculos inteligentes

imagem-topo-smart-glass

Lumus lança óculos de realidade aumentada

A empresa Lumus lançou, durante a CES 2017 (Consumer Technology Associantion), óculos de realidade aumentada destinados ao uso cotidiano. Tratam-se de dois protótipos – Maximus e Sleek –, com a venda ainda não direcionada ao consumidor final, mas que estão prontos para serem licenciados por empresas que tenham interesse em produzi-los. Isso ainda não aconteceu, mas empresas tais quais Daqri, Atheer, Thales e Knaap são parceiras da Lumus e poderiam cumprir a função de fabricar os novos óculos. De qualquer form, a previsão da Lumus é que os modelos finais cheguem ao mercado até o final de 2018.

imagem-do-texto-smartLumus Maximus
Este modelo é o mais caro e robusto dos dois, possuindo mais recursos. Seu design permite que seja usado por cima de óculos comuns. Ele possui ângulos de visão de 55 graus e é ideal para jogos e outros usos mais complexos.

 

 

Lumus Sleekimagem-do-texto-lumus-sleek
A segunda proposta é mais discreta, se parecendo com óculos comuns. Seu ângulo de visão é menor e seu uso se aplica ao dia dia.

 

 

Concorrência

imagem-do-texto-odg-r8Óculos de realidade aumentada não são uma invenção exclusiva da Lumus. Há outras empresas nesta corrida, como a ODG (Osterhout Design Group).
Conhecida por seus óculos inteligentes fabricados para uso militar, a ODG lançou, também na CES 2017, outros dois modelos de óculos inteligentes de realidade aumentada e virtual, o R-8 e o R-9, dessa vez “óculos para as massas”, como descreveu o fundador e CEO da empresa, Ralph Osterhout.

São, portanto, modelos voltados ao consumidor comum.
“Isso é muito maior do que apenas um dispositivo. É sobre um novo meio de computação que transformará a maneira como interagimos e descobrimos informações e nos relacionamos com pessoas e objetos do mundo que nos rodeia”, declarou Ralfh. Essa é a aposta da ODG ao criar os dispositivos. Mais do que óculos modernos e legais, a empresa visa criar uma nova cultura de geração de conteúdo e interação com a realidade virtual e aumentada, como vídeos em alta definição criados especialmente para seus dispositivos. Para isso, a 21st Century Fox está trabalhando com a empresa de realidade virtual OTOY e PTC, e os primeiros trabalhos incluem conteúdo da 20th Century Fox, FOX Broadcasting, FX, FOX Sports, National Geographic e Fox News Channel.
Essa é a crença também de Pete Jameson, COO da ODG, que acredita que óculos inteligentes são a próxima plataforma tecnológica de interação:
“Esta não é uma mudança completa para o mercado consumidor, mas, na CES 2017, estamos destacando uma série de experiências interessantes, como e-mail, navegação, filmes, VR móvel e experiências interativas AR […] Nós pensamos a longo prazo, que smart glass serão a plataforma seguinte. Se eu quero estar em um avião e trabalhar ou assistir a um vídeo ou filme, se eu estou viajando diariamente, quero que estes óculos sejam significativos, muito parecido com o uso que você faz de um laptop ou tablet ou smartphone hoje.”

Leia Mais
dicas-site-planet-apple

Apple planeja óculos inteligentes

Depois da Google e da Snapchat, agora é a vez da Apple se aventurar na criação de óculos inteligentes. Segundo a Bloomberg Technology, os óculos seriam capazes de se conectar ao iPhone sem a necessidade de fios, além de exibirem imagens no campo de visão do usuário, com a possibilidade de que isso seja feito por realidade aumentada.
A informação é de que fornecedores de materiais estão sendo contatados e de que alguns testes têm sido feitos para que os óculos inteligentes cheguem ao mercado em 2018. Otimista, não é? No entanto, antes que qualquer esperança se forme, é válido lembrar que não é incomum a Apple testar e analisar muito seus produtos e o mercado antes de lançar inovações – como aconteceu com o iPad, do qual se ouviu falar no início dos anos 2000, mas que só chegou ao público quase dez anos depois.

Antecessores
O campo dos óculos inteligentes já foi explorado algumas vezes – com e sem sucesso. O Google Glass, por exemplo, foi um projeto que não deu certo.

glassLançado em 2014, o gadget foi intitulado de “um dos melhores inventos” do ano. A promessa era de que os óculos acabariam com o mau hábito das pessoas estarem sempre olhando para o celular, mas logo descobriu-se o inferno no paraíso. A câmera causou incômodo, com a polêmica de que expunha as pessoas por começarem a filmar sem aviso visível, e a bateria durava pouco. A tecnologia de realidade aumentada, por sua vez, que projetava as imagens digitais sobre o ambiente físico, foi considerada insegura no trânsito. O preço também foi um agravante na rejeição, e, em janeiro de 2015, a Google declarou que suspenderia a venda dos óculos inteligentes e que eles seriam repensados e voltariam ao mercado em uma nova versão.

snapl Os criadores do Snapchat, por outro lado, tiveram mais sucesso. Quando foram anunciados, os óculos inteligentes Spectacles foram um pouco desacreditados pela crítica, apesar da promessa de que seriam divertidos e que completariam a experiência no aplicativo. Agora que foi lançado, o gadget parece mesmo legal, além de estilosos. O Spectacles está sendo vendido em três opções de cores – coral, preto e verde-água – e tem um formato bem mais “usável” do que o modelo concorrente da Google, que chegou até a render apelidos aos seus usuários. Os componentes do aparelho estão escondidos na armação. A câmera possui um círculo de LED que se ativa para as gravações (que duram até 30 segundos) e melhoram a qualidade das imagens a noite. Quando a câmera está ativa, uma luz de LED se acende para avisar que está gravando.
Diferente do Google Glass, o Spectacles não fornece ao usuário nenhuma interação além da captação de imagens sem a necessidade de usar diretamente a câmera do celular.
Comprar ainda não é possível – não no Brasil, pelo menos. Os óculos possuem quantidade limitada e começaram a ser vendidos no começo de novembro apenas em lojas próximas à sede do Snapcht, nos EUA, pela bagatela de US$129,95. Não há previsão de chegada a outros países.

Leia Mais